24/01/2010

Oh Julia. We beg you for more butter !



Oh, Julia. We beg for more butter, please !

A sinopse do Julie &Julia já nos sugeria quem seria essa personagem ímpar que, segundo o The New York Post, deixou a sua indiscutível marca na cultura do século 20: “with the right combination of passion, fearless and butter, anything is possible.” Bingo! Julia Child era a exata combinação de todos esses ingredientes estranhamente harmonizados com o seu corpão de proporções engrandecidas: era uma mulher apaixonada, destemida e saborosamente amanteigada. Muito amanteigada. Como a sua cozinha.

Seus admiradores afirmam que são três as razões pelas quais essa inusitada chef é imensamente amada pelo seu fiel público : porque era uma pessoa íntegra, dócil e super easy going; porque encontrou uma maneira (e que ninguém sabe muito bem como! ) de ficar por tantos anos em uma cozinha sem atear fogo no seu cabelão quimicamente armado e, por último, porque dizia aos americanos nos seus imperdíveis programas de tv que não haveria nenhum problema se algum alimento caisse acidentalmente ao chão pois eles provavelmente seriam os únicos que estariam na cozinha testemunhando aquela queda. Ou seja, “simplesmente junte o naco e faça de conta que nada aconteceu”. Cute, isn’it? Também acho. Mas imagino que Julia era admirada, acima de tudo, por ser um ser persistente. Muito persistente.

Isso me faz lembrar uma histórinha divertida que uma amiga pessoal de Julia me contou certa vez. Estavam as duas preparando um aioli, uma espécie de maionese francesa. O angú não estava dando nada certo. Dorothy, a amiga, estava bastante frustrada com o não-resultado. Após várias tentativas e proporcionais erros, jogaram tudo para o alto e desistiram da empreitada. Comeram o aioli assim mesmo, todo errado. Logo após o almoço, Julia, estranhamente animada, levanta-se de sobresalto e esbraveja com sua inconfundível voz de desenho animado ( assustadoramente bem reproduzida por Meryl Streep no filme, por sinal) : “Dorothy, voltemos agora à cozinha. Let´s get it right! “ Ela tinha, então, 85 anos e já havia preparado inúmeros aiolis em sua longa vida quixotesca. Mas estava determinada a acertar aquele! E não haveria santo que a fizesse mudar de idéia.

Tive a feliz oportunidade de conhecer Misses Child em uma ocasiâo durante os meus anos na big apple. Julia esteve em uma tarde no The French Culinary Institute para dar uma aula-demonstração no anfiteatro dessa renomada escola de gastronomia plantada à esquina da Grand Street com a Broadway, no Soho. Naquela época, eu trabalhava no Setor de Eventos do Anfiteatro e fôra destacado, juntamente com outras pessoas, para auxiliar a vovó Child na preparação e execução de sua breve aula. Iria, finalmente, conhecer essa grande-figura-grande de quem eu já me sentia íntimo, de uma certa forma, de tanto ouvir falar nela e de assistir a seus engraçados programas de gastronomia.

É praticamente desnecessário dizer que aquela foi uma tarde muito bacana. Julia Child, apesar da sua idade super avançada e de seu visível cansaço, foi formidável. Um doce de pessoa. Interessou-se por todos à sua volta. Quis saber um pouco sobre a trajetória de cada um. Envolveu todos de uma forma amável, delicada e com o seu característico bom humor. Solicitava por auxílio de uma forma muito respeitosa e franca. Dez para a Juju ! Mais uma vez é provado, através dessa incrivel senhora, que a marca dos grandes é definitivamente a humildade, a simplicidade, a paixão, o esforço e , no caso de Julia Child, a manteiga. A lot of it !

Vinagrete Básico ( traduzido de seu livro Julia’s Kitchen Wisdom)

Que tal dar um upzinho na sua saladinha de verão? Julia pode ensinar como.

½ colher de sopa de cebola roxa, finamente picada
½ colher de sopa de mostarda dijon
¼ de colher de chá de sal
½ colher de sopa de suco de limao
½ colher de sopa de vinagre de vinho
½ x[icara de óleo de oliva extra virgem
Pimenta do reino moida na hora

Preparo

1. Misture a cebola picada e a mostarda em uma vasilha de fundo redondo. Adicione e suco de limão e o vinagre e mexa com o auxilio de um fuê.
2. Adicione em um fio o óleo de olive a bata em movimentos circulares até virar uma emulsão.
3. Acrescente a pimenta preta. Teste o vinagrete mergulhando uma pequena folha de alface. Experiemnte e faça as correções necessárias.

*Super versátil, esse vinagrete básico pode ser feito em grandes quantidades e armazenado na geladeira por até uma semana.


Parar ajudá-los a entender um pouco mais sobre a importância dessa senhora :

Os EUA dos anos 50 e 60 estavam no auge de seu dourado “american way” mas, por outro lado, encontrava-se no ponto mais baixo e desolador do seu “american cooking way”. Era praticamente impossivel, naquela época, encontrar produtos hortifrutigranjeiros frescos nas prateleiras dos supermercados. Ingredientes simples como alho, cebola, ervas, aipo, folhas verdes, etc, eram artigos quase inimagináveis. No lugar destes , e por toda a parte, proliferavam os milagrosos enlatados, os mágicos bolos e pudins de caixinha, as saudáveis margarinas, os prá-lá-de-práticos junk food e fast food e os cômodos diners. Havia uma obcessão pelos alimentos instantâneos que, por sorte, ajudavam as donas de casa a preservar suas vistosas cozinhas-vitrines em instantânea ordem. Smile, you are being watched !

E é nesse cenário que Julia Child entra para dar um rumo totalmente diferente aos hábitos alimentares dos entusiasmados yanques. Seu programa de TV de imediato e enorme sucesso, “The French Chef”, convidava essas entediadas e sem-ter-muito-o-que-fazer donas-de-seus-castelos a se aventurarem por um território bastante obscuro mas que, certamente, lhes daria uma espécie de rumo, de projeto, de life porpuse que auxiliaria as rainhas-reféns-de-seus-próprios-paraísos- domésticos a preencher um provável vazio existencial! Jogaram-se, então, àvidas como abelhas ao pote de mel, como era de se esperar. Good bye depressão e o resto é história.


***

4 comentários:

Paula disse...

Oi Luciano, quanto vc terá um tempinho para blogar um novo prato? Sinto falta das suas lindas e deliciosas receitas. Beijos, Paula.

Paula disse...

Oi Luciano, gostaria muito de acessar suas novas postagens mas não consigo. Preciso da sua autorização?

Pelo blogger vejo os títulos das suas novas receitas, por exemplo, risoto com alho porró, e quando tento abri-la aparece esta mensagem, "Página não encontrada. Desculpe, a página que você está procurando no blog concha de retalhos não existe."

Axly disse...

Olá chefinhoooo...
Faz dias que vc posta suas maravilhas, ms eu não consigo ver!
Toda vez q entro, t[a a postagem da Julia, nada contra ela, afinal ela é o máximo. Mas, cadê meu chefinho querido!?
Quero ver tuas novidades, o que tá acontecendo???
Kisss^^

LUCIANO LUNKES disse...

Olá Paula e Axly,

estou envolvido num projeto grande e utilizando o blog para armazenar o conteúdo deste trabalho. As postagens desse projeto, portanto, estão fechadas para o público no momento. No futuro o acesso a essas receitas será possivel.
Grande beijo proceis !!